Email Marketing Atomic

Email Marketing Atomic – programa automatizado robô

O Atomic Email é um programa de disparos de e-mail marketing. Com ele você será capaz de enviar milhares de e-mails usando SMTPs pagos ou gratuitos.

Sobre o Atomic Email:

O Atomic Email é fácil de usar e está inserido na plataforma de marketing mais confiável do mercado. Quer você esteja criando um email a partir de HTML ou usando a intuitiva interface do editor de conteúdo do próprio software, o Atomic Email ajuda os profissionais de marketing de todos os níveis a atingir o cliente certo, com a mensagem certa e no momento certo.

Com acesso à plataforma de marketing mais confiável do mercado, você nunca estará sozinho. Sempre que estiver em dúvidas, com algum problema ou até mesmo sugestões para melhorar o Software, você poderá estar entrando em contato com o suporte técnico, que estará sempre disposto para atendê-lo.

Até mesmo as pessoas mais leigas na informática e no marketing, conseguirá criar uma ótima campanha para vender seus produtos.

Comprar

Como funciona?

O software funciona a partir de SMTP, ou seja, você utiliza sua conta de e-mail pessoal ou empresarial para enviar mensagens em massa, podendo inserir contas GMail, Hotmail, Yahoo, Bol, Uol, Terra, etc.

Cada conta de e-mail possui um limite de envios diários, porém essa barreira é quebrada com o recurso de adicionar várias contas ao software, assim que estourar o limite de uma conta, o Atomic Email irá alternar para outra disponível.

Atomic Email - Configurações

 

Atomic Email possui diversos recursos que auxiliam na entrega da sua mensagem à Caixa de Entrada dos destinatários, sendo eles:

• Gerar números aleatórios no final do assunto da mensagem
• Gerar números aleatórios no final da mensagem
• Tempo de espera para cada envio de mensagem
• Rodizio de contas de emails
• Rodizio de mensagens

Utilizando o recurso Rodizio de mensagens, faz com que o Atomic Email suporte várias mensagens, e a cada envio elas serão automaticamente alternada, melhorando a qualidade da mensagem para que seja entregue na Caixa de Entrada.

Atomic Email - Mensagens

Criar e-mails nunca foi tão fácil com o Atomic Email, o programa possui ferramentas completas para lhe auxiliar à desenvolver seus próprios e-mails, como se estivesse editando um documento no Word.

Não sabe por onde começar à digitar sua campanha de e-mail? Não se preocupoe, pois o programa possui diversos modelos de e-mails para lhe ajudar à libertar sua criatividade!

Atomic Email - Templates

Quantos e-mails posso enviar por dia?

O Atomic Email irá enviar conforme os seus provedores de e-mails suportarem.

Atomic Email - Lista de Emails
 

Informações do Produto

Tipo: Software
Forma de disparo: Contas SMTPs
Suporte a Texto: SIM
Suporte a HTML: SIM
Suporte a Anexos: SIM
Suporte a limite de envios por conta: SIM
Suporte a múltiplas mensagens: SIM (Ilimitado)
Suporte a múltiplas contas: SIM (Ilimitado)
Editor de HTML: SIM
Números aleatórios no assunto: SIM
Números aleatórios no final das mensagens: SIM
Templates: SIM
Encaminhamento de respostas: SIM
Permissão para usar em vários PCs: NÃO
Atualizações automáticas: SIM

Garantia

Caso haja algum defeito no produto ou se arrependa da compra, você poderá estar solicitando o reembolso em até 14 dias.
Suporte técnico: SIM
Validade do Produto: 1 (um) ano

Requisitos

Sistema Operacional: Windows 7 ou superior
Processador: Dual Core
Memória RAM: 1 GB
Conexão com Internet: SIM

Pagamento

Preço: R$ 159,90

Formas de Pagamento:

Prazo de Entrega: Até 24 horas após a confirmação do pagamento

Ao efetuar a compra, você receberá em seu e-mail:
• Link para baixar o programa
• Licença de ativação com validade de 1 (um) ano.

 

Comprar

Qualquer dúvida entre em contato conosco:

contato.virtualtarget@gmail.com

A força da comunicação online no e-commerce

A força da comunicação online no e-commerce

O e-commerce é uma tendência de solidificação mundial e o Brasil não poderia ficar de fora quanto a sua participação nos crescentes números de faturamento representados pelo setor. Somente no primeiro semestre do ano, o varejo eletrônico e de suplementos movimentou R$ 4,8 bilhões, representando 27% de crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior. Pelo menos, 65,2 milhões de pessoas já passaram pelas lojas virtuais, adquirindo produtos na web.

Podemos dizer que estamos vivendo a fase do amadurecimento do e-commerce no país. Fatores como insegurança, falta de confiabilidade ou mesmo informação para o mercado são pontos que, aos poucos, vão deixando de existir por conta dos investimentos do varejo online em promover uma nova cultura de consumo. Atualmente, mais de 86% dos consumidores estão satisfeitos com o e-commerce, de acordo com o levantamento feito pela e-bit com o MIS (Movimento Internet Segura).

Aliado a isso, a praticidade e agilidade requeridas em dias como os que vivemos se tornaram essenciais em uma rotina corrida e atribulada. O e-commerce oferece tudo isso e facilita nossas vidas. É preciso apenas saber com quem interagir de forma que todas essas vantagens sejam revertidas em benefícios próprios.

O alto índice de crescimento conquistado pelo comércio eletrônico é fruto também das diversas condições de pagamento e descontos ou isenções no frete. Iniciativas como parcelamento e ações promocionais também vem atraindo atenção de um nicho de mercado antes dedicado a compras em tradicionais bairros populares. A Classe C é um dos setores que se beneficia desse universo e vem participando ativamente do comércio eletrônico, fazendo parte dos dados apresentados nesse semestre.

Hoje, é o maior público consumidor de e-commerce, representado por 50%, a outra metade pertence às classes A e B. Cerca de 80% das compras online são parceladas e o cartão de crédito é um dos maiores responsáveis.

Diante desse movimento, lojas virtuais surgem exatamente para atender a esse mercado e vêm atingindo seus objetivos de forma surpreendente. Exemplos como Casas Bahia e varejistas menores – Cia do Suplemento e a Cia da Vitamina – estão aí para provar a força desse nicho no comércio eletrônico. Em matéria publicada no Jornal O Estado de São Paulo essas três lojas virtuais ganharam destaque. Em um ano de mercado, a loja virtual da Cia do Suplemento, apenas em 2018, respondeu com 86% do faturamento total do grupo, totalizado em R$ 12,6 milhões. A Cia da Vitamina cresceu 174% de 2017 para 2018.

Fatos como esse demonstram uma evolução significativa, mas que não vem apenas acompanhada da página disponível na internet. É preciso muito mais que isso e, nesse sentido, as estratégias de marketing também devem ser alinhadas ao público que se deseja atingir. Sabemos que os formatos de comunicação entre os diferentes públicos devem ser aplicados também de forma diferenciada. As ações comerciais já praticadas nas lojas físicas devem, nesse momento, mais do que nunca, serem também transmitidas ao ambiente digital.

Para potencializar o e-commerce e atrair ainda mais receptividade junto a Classe C, uma das ações mais mensuráveis e assertivas é o email marketing. Uma pesquisa da Associação norte-americana de email marketing apontou que o canal traz o maior ROI entre todos os métodos de Marketing direto. O ROI médio em e-mail Marketing é de US$ 45,06 para cada dólar investido, mais do dobro do ROI conseguido com o Marketing na internet, que é de US$ 19,94.

A ferramenta vem se tornando fator chave na comunicação entre o varejo e o atual ou futuro cliente. Isso porque permite o envio dos emails diretamente à caixa postal do destinatário, sem intermediários, além das tecnologias dispostas em plataformas automatizadas de envios, que trazem funcionalidades que permitem o acesso a cada clique feito pelo público alvo a partir da mensagem enviada.

É possível saber a exata taxa de abertura a cada ação enviada, mas, acima de tudo e o principal, quem clicou. Descobrir quem realmente interagiu com a campanha da loja virtual é algo como achar o “tesouro” no fundo do mar, em meio a tantos destinatários. Porém, não é somente o uso de plataformas para envios de email marketing que permite maior conversão de vendas a partir das mensagens eletrônicas.

Sabemos que já existe tecnologia para isso e é preciso utilizá-la em prol de nossa marca. Mas a estratégia e planejamento são fundamentais em cada campanha. A partir do momento em que você analisa os cliques e mede o perfil comportamental de seu público, já é capaz de elaborar campanhas ainda mais segmentadas para conquistar mais e mais esse nicho.

Diferente das Classes A e B, o público C tem suas particularidades. Seu hábito de compra não é semelhante ao das outras classes sociais. Ele vê preço, parcelamento e, além disso, busca algo que realmente atraia sua atenção, não compra por comprar e se precisar deixar de adquirir algo no virtual porque sabe que na loja física popular o valor é mais acessível, ele desliga o computador e não se preocupa se tiver que se locomover ao que antes já estava acostumado.

Nesse momento, até a peça promocional disparada por email tem que ser muito chamativa. As mensagens, preferencialmente, devem ter conteúdo e layout altamente promocionais, assunto do email extremamente atraente com referência a promoção/parcelamento de maior destaque, preços em letras atrativas, produtos em evidência e, principalmente, artigos que condizem com suas necessidades e jamais o que é supérfluo a sua realidade.

A equipe responsável por todo ciclo da campanha também é extremamente importante para essa comunicação. Estamos falando de um nicho de mercado com grande potencial e muita maturidade a ser conquistada. Quanto mais a comunicação elaborada tiver relação com suas necessidades, mais as chances de conquistá-lo.

Nem a crise mundial foi capaz de abalar fortemente o comércio eletrônico. O setor sentiu os impactos, mas de maneira inferior a outros segmentos da economia. Depois do anúncio da redução do IPI, a venda de eletrodomésticos no e-commerce cresceu 50% em volume de pedidos em comparação de maio com abril (fonte: e-bit).

Os dados apontam para uma perspectiva cada vez mais otimista, tanto para os grandes varejistas virtuais como para os pequenos e médios, que vêm ganhando muito espaço no setor. O sucesso do comércio eletrônico também se deve a uma distribuição cada vez maior no quesito especialização por linhas de produtos. Os dez maiores varejistas do mercado virtual perderam 2,3 pontos percentuais de market share no primeiro semestre de 2019, em relação aos seis primeiros meses do ano anterior. Isso ocorre por conta do surgimento de varejistas online de pequeno e médio porte no mercado, que nascem mais especializados em suas áreas de atuação, o que possibilitou um ganho de 1,6% em participação de mercado de janeiro a julho de 2019 (fonte: e-bit).

Novamente aqui atribuo o cenário, além do crescimento constante da Internet e de internautas, às estratégias de marketing aplicadas. Não há como se destacar e ganhar vantagem competitiva se os planos de marca, produtos e serviços não forem cuidadosamente elaborados e colocados em ação. Anteriormente falamos do email marketing como uma das mais mensuráveis ferramentas e que aumentam as chances de conversão em vendas, se bem trabalhado, claro. Mas, junto a isso, investimento em links patrocinados, busca orgânica, banners em sites que falam com seu público, participação em redes sociais, parcerias com grandes marcas, entre outros inúmeros recursos digitais devem ser estratégias fundamentais para uma operação bem sucedida, seja com o público A, B ou C.

A internet se tornou o terceiro veículo de publicidade de maior alcance no Brasil, atrás apenas de rádio e TV. São 127,5 milhões de pessoas que acessam a rede de casa regularmente, valor que sobe para 136,4 milhões se considerarmos também os acessos do trabalho. 87% dos internautas utilizam a web para pesquisar produtos e serviços (fonte: Ibope Nielsen Online).

A e-bit aponta que até o final de 2019, o e-commerce chegue a casa dos R$ 100,5 bilhões, em 2021 esse valor era de R$ 54 bilhões. Os anos estão aí para mostrar o que é realmente a evolução de um setor.

A constante ascensão cabe não apenas aos 150 milhões de computadores em uso e a projeção de 170 milhões deles em 2022 (fonte: FGV), mas principalmente, a maneira de se aplicar um efetivo marketing baseado nas boas práticas digitais, com respeito e privacidade ao e-consumidor, fazendo da ética o ponto primordial para conquista real de um espaço significativo junto ao público e, consequentemente, no mercado.

Abriram-se as portas do comércio eletrônico para a classe C. Esse nicho de internautas continuará contribuindo fortemente para o panorama de crescimento surpreendente a cada ano. A nós, cabe um trabalho que faça jus ao cenário, ou ainda, melhor elaborado para fazer valer a nossa marca em relação à concorrência. Seremos capazes de dizer, a cada liberação de balanço do e-commerce: Faço apenas parte ou estou entre os principais fatores dessa evolução?

O que é preciso saber sobre email marketing

O que é preciso saber sobre email marketing

O email marketing, como meio de comunicação, é uma poderosa ferramenta para atingir um ‘target’, seja nas transações comerciais entre empresa e seus consumidores, seja nas ações de relacionamento que visam fidelizar uma carteira de clientes.

Diante das mídias online, este é o canal que oferece todas as funcionalidades necessárias para a obtenção de resultados efetivos.
Mas, para alcançar o melhor custo-benefício, uma campanha precisa respeitar um ciclo de ações que vão das boas práticas à mensuração. Esse ciclo, no qual se incluem regras técnicas, visa a elaboração de campanhas focadas nas peculiaridades das mídias digitais, que se diferenciam pela forma e conteúdo. Mundialmente, *1,5 bilhão de pessoas acessam a Internet, tornando o canal um grande meio de interação.

Mas, como nem tudo que tramita pela web é relevante, a caixa de mensagens de um usuário pode conter assuntos de interesse ou emails não solicitados, como os spams. Para ganhar legitimidade, é essencial que a campanha atue dentro das melhores práticas do email marketing. Isso significa que o remetente precisa receber o consentimento do destinatário, pelo opt in, antes do envio de email. Ou, pelo soft opt in – conceito que consta como uma boa prática no Código de Autorregulamentação do Email Marketing, recentemente lançado –, a empresa pode incluir um cliente em sua base por existir uma relação comercial ou social entre eles. Em ambas as situações, a função opt out, disponível na mensagem, garante ao cliente o direito de sair da base a qualquer momento que desejar.

Outras regras também auxiliam para que o email não seja caracterizado como spam. Regras que ao serem aplicadas no desenvolvimento do template evitam erros que podem barrar o email, como por exemplo, o excesso de imagens ou de expressões fiscalizadas pelos provedores. Para análise e envio de email, tecnologias especialmente desenvolvidas para o gerenciamento de campanhas realizam o teste antispam, para validar o conteúdo ou apontar pontos suspeitos.

Para o sucesso das campanhas, o desafio está em desenvolver um template atraente e eficaz, que permita bons índices de entrega, visualização e conversão em clique, que é a meta principal do email marketing. Assim, o resultado está diretamente associado à eficiência do código HTML, que por sua vez deve atender aos padrões recomendados pelo W3C – o World Wide Web Consortium, um consórcio de empresas de tecnologia que desenvolve padrões para a criação e a interpretação dos conteúdos para a Web.

O alto índice de entrega, no entanto, está ligado à qualidade da base de dados que, estando higienizada, auxilia no processo de segmentação e amplia as oportunidades de comunicação dirigida à medida que, ao longo das campanhas, é alimentada com informações sobre o perfil e comportamento do cliente. Comunicar-se com relevância, esse é o primeiro passo no processo de satisfação dos clientes e fidelização de uma marca. Porém, a construção e fidelização de uma marca não é tarefa fácil. Para chegar a tal objetivo, empresas especializadas em comunicação por mídias digitais exploram a fundo as funcionalidades das tecnologias, dando total respaldo às ações online. Uns dos principais atrativos destas ferramentas é a capacidade de mensuração.

Pela plataforma Virtual Target, um dos primeiros sistemas de envio e gerenciamento de campanhas de email marketing do mercado nacional, as ações online contam com mais de 80 relatórios analíticos, que mineram dados, segmentam campanhas, e detalham passo a passo a interação do destinatário com o email – da visualização ao clique, do clique à conversão.

Quais as palavras que devem ser evitadas no email marketing

Quais as palavras que devem ser evitadas no email marketing?

Existem algumas expressões que, quando detectadas pelos filtros antispam, fazem com que sua mensagem seja classificada como spam e não cheguem na caixa de entrada do destinatário.

Veja algumas das expressões que devem ser evitadas no texto e assunto de seu email marketing:

– Clique aqui
– Todos os direitos reservados
– Links para arquivos exe, pif, scr e outros
– Sigilo Absoluto
– Dúvidas Conjugais
– Grampo?
– Tenha seu site na Internet
– Ganhe dinheiro enviando e-mails
– Trabalhe em casa
– Para retirar seu e-mail da lista
– Divulgue sua/seu
– Fala sobre não perder tempo
– 24 Horas
– Contém “de/para sua empresa”
– Contém a palavra “hospedagem”
– Contém a palavra “hospedagem” no Subject
– Subject: xx kg
– Subject: Vagas Abertas
– Texto “e confira”
– Agência de Aproximação/Modelos
– Especialmente para você
– Fala para não responder o e-mail
– Fala sobre perder peso
– Fala sobre perder peso no Subject
– Saved from URL
– Pede desculpas pelo incomodo/transtorno
– Consulte-nos!
– Detetive ou Espionagem
– Despachamos para todo o Brasil
– Contém ponto de exclamação no From
– Provavelmente e” sobre venda de listas de e-mails
– “Telemarketing”
– “Trabalhar em Casa”
– “e saiba mais”
– “Imperdível”
– “Aproveite nossa promoção”
– agora/já”
– Curso on-line no subject
– Curso no subject
– Curso no body
– “Mala Direta”
– “Mala Direta de e-mail”
– “Grátis”
– “Frete Grátis”
– Inclui texto para remover email
– “Tempo Limitado”
– “Renda Extra”
– Ganhe Dinheiro no Subject
– Texto sobre “Renda Extra” no Subject
– From com a palavras-chave
– Subject com a palavra “Promoção”
– Contém a palavra “você” no Subject
– Link para sites no cjb.net
– Link para sites no kit.net
– Chamando url no kit.net (src=)
– Link para sites de hospedagem grátis
– Link para sites no HPG
– Link para produtos no Mercado Livre
– Dizendo que a msg será enviada apenas uma vez
– Dizendo que a msg não é um spam
– Interrogação no subject
– Texto “A partir de $xx.xx”
– Texto “apenas $xx.xx”
– Texto “apenas $xx.xx” no Subject
– Preço no Subject

Fique atendo a esta lista e tente substituir as frases, caso seja realmente necessário usá-las. Por exemplo: Clique aqui pode ser substituído por Acesse este link.

E lembre-se sempre: Antes de enviar seu email marketing para sua base de contatos, teste sua mensagem internamente. Veja se os links estão corretos, se as imagens carregam e se sua mensagem está chegando na caixa de entrada!

Como avaliar a qualidade do template de email marketing

Como avaliar a qualidade do template de email marketing?

Para disparar os envios e ter a certeza da visualização exata daquilo que foi programado, alguns testes devem ser realizados antes da ação. Só assim é possível antecipar problemas, reparar erros e otimizar a entrega. Então, vejamos algumas sugestões:

Teste antispam

O teste antispam avalia todo o código HTML em busca de características comuns a spammers e de expressões suspeitas, incluindo a verificação do título da página, textos, links, endereços de imagens e textos alternativos.

Para realizar este trabalho, a ferramenta antispam mais popular é o SpamAssassin, utilizado em muitos servidores web e disponível também para usuários em suas aplicações desktop. Além do SpamAssassin, podemos citar algumas mais específicas, como as utilizadas por Gmail, Hotmail e Yahoo!.

Todas elas têm certas regras em comum, que são baseadas em práticas utilizadas por spammers. É importante evitar o uso de expressões como “crédito”, “clique aqui”,  “leia mais”, “especialmente pra você” e outras relacionadas. Além do conteúdo de texto, o teste antispam também verifica o equilíbrio entre textos e imagens, entre textos e código, o contraste entre cores de textos e cores de fundo e até mesmo tentativas de camuflar as expressões suspeitas com espaços extras e caracteres diferenciados.

Visualização com imagens bloqueadas

O bloqueio de imagens é uma característica padrão da grande maioria das aplicações de email. Ela garante segurança aos destinatários contra qualquer conteúdo impróprio e poupa o consumo de banda ao não iniciar o download automático das imagens. Quem pode decidir sobre a exibição das imagens é o próprio destinatário.

Como profissionais de mídias digitais, não temos controle sobre as ações dos usuários e, consequentemente, não podemos esperar que todos optem por exibir as imagens dos emails que recebem. Porém, podemos preparar uma mensagem otimizada para a leitura nesta situação, através do uso de textos no HTML e de textos alternativos para as imagens.

Uma forma prática de testar o layout do email marketing com as imagens bloqueadas é por meio do próprio browser, com extensões específicas para desenvolvedores. O Firefox possui a WebDeveloper, em cuja barra de ferramentas há uma opção para bloquear as imagens da página atual, e o Internet Explorer possui a Developer Toolbar.

É interessante testar a visualização do email marketing com as imagens bloqueadas nos dois navegadores, pois cada um se comporta de uma maneira em relação aos textos alternativos. Enquanto o Firefox aceita as formatações de fonte atribuídas à tag de imagem, o Internet Explorer aceita apenas a cor da fonte, mantendo a família e o tamanho no padrão do navegador – que pode ser alterado pelo usuário.

Teste HTML

A estrutura básica de um documento HTML é formada pelos elementos HTML, HEAD, TITLE e BODY. Porém, na primeira linha do código, antes da tag HTML, é importante inserir uma declaração de DOCTYPE, que define qual o tipo de documento HTML será utilizado. Não é uma tag, e sim, uma instrução para o browser sobre qual versão da linguagem de marcação que o documento utiliza.

Existem dois tipos de documento recomendados para email marketing: HTML 4.01 Transitional e XHTML 1.0 Transitional. Essas duas instruções contêm algumas tags que já são consideradas em desuso pelo W3C em versões mais recentes, mas ainda são necessárias para garantir a correta renderização do conteúdo nos clientes de email. Nem todos suportam os webstandards, então, ainda se faz necessário utilizar tags mais “antigas” em templates de email marketing, como a já conhecida font.

Depois de concluído, é altamente recomendado validar o código HTML do template junto ao W3C para conferir se a sintaxe está correta, se todos os atributos foram inseridos adequadamente e se todas as tags foram fechadas. Um código válido aumenta as chances de entrega da mensagem na caixa de entrada, visto que alguns filtros antispam incluem a validação do código em seus testes.

Teste de preview

É o envio do template para todos os clientes de email conhecidos e mais utilizados para verificar a exibição da mensagem. Cada cliente de email utiliza um mecanismo de renderização diferente, e isso significa que nem todos suportam os mesmos recursos da mesma forma, incluindo CSS e HTML.

Testar a visualização do template nos clientes de email antecipa possíveis erros e itens que precisam ser ajustados, como o alinhamento de objetos dentro das células de uma tabela. Se a célula não tiver o atributo de alinhamento declarado, muitos clientes de email tendem a centralizar seu conteúdo, o que pode prejudicar a leitura.

A cada novo teste com diferentes templates, descobre-se novas particularidades dos clientes de email que devem ser somadas às boas práticas já conhecidas. Assim, se quiser conhecer melhor as limitações e suporte de cada uma das aplicações de email.

4 erros mais comuns em campanhas digitais

4 erros mais comuns em campanhas digitais

Trocar o nome do cliente ou fazer chamada de produto esgotado: os erros em marketing digital podem ser o caos

As marcas atuantes no ambiente digital também estão passíveis de falhar em diversas ações. Confira o que definitivamente não deve ser feito nas campanhas online:

E-mail errado: O cliente quer customização na hora de receber um e-mail marketing. Então jamais erre o nome dele. Além disso, cuidado para não oferecer produtos inadequados para aquele consumidor. Por exemplo, se ele torce pelo time A da cidade, não coloque itens do time B como oferta.

Amigo da marca? Algumas empresas, ao criarem sua imagem online, acabam montando perfis de usuários, ao invés de Fan Page. Fazer com que o consumidor “solicite amizade” para acompanhar sua marca é definitivamente bizarro e restringe sua possibilidade de crescimento.

Não presuma o fim: Jamais abandone uma rede social achando que ela morreu. O Twitter segue de vento em popa e novos espaços, como o Snapchat, aos poucos ganham audiência. É preciso estar antenado para não abrir uma lacuna na comunicação digital.

Estoque vazio: Os banners de adwords podem ser ótimos para trazer o consumidor à loja virtual. Mas, e quando o produto em destaque está indisponível? Nada pode ser pior do que frustrar o cliente. Portanto, sem estoque, sem propaganda.

Como calcular o ROI do email marketing

Como calcular o ROI do email marketing?

Email marketing não é gratuito. É uma mídia, como outra qualquer, que exige investimentos para trazer o retorno desejado. Porém, o retorno gerado pelo email marketing deve justificar seu custo e muitas empresas acabam dedicando muito de seu tempo e de seus criativos para criar campanhas que têm um custo muito maior do que o retorno.

Pensando em aprimorar o Retorno sobre o Investimento na prática do email marketing, a VIRID Interatividade Digital, especializada no desenvolvimento de plataformas de envio e gestão de email marketing, traz pontos fundamentais sobre como calcular este retorno.

Ao contrário do que muitos podem pensar, calcular o ROI de qualquer campanha, inclusive de email marketing, é simples. Basta utilizar a seguinte fórmula:
Onde:
Lucro: lucro (valor monetário) obtido com as conversões provenientes da campanha.
Investimento: Total (valor monetário) investido na produção e divulgação da campanha.
Caso o modelo de negócios do site não seja do tipo “loja virtual”, que trabalhe com transações monetárias, é importante especificar um valor fictício para cada tipo de conversão, como uma nova visita ao site, um contato via formulário ou telefone etc. Certamente, um terá mais peso que o outro.

Os custos que devem ser considerados como valor de investimento na campanha dependem do tipo de negócio. A empresa que está investindo na ação de email marketing pode calcular o valor do investimento de acordo com o modelo de trabalho mais adequado para sua realidade:

1. Desenvolver toda a campanha in house, ou seja, ela própria cuida de todos os processos. Neste modelo, além de custos externos (aluguel de listas, plataforma de envio e o que mais for terceirizado) deve ser mensurado o tempo das pessoas envolvidas em todo o processo como, por exemplo, o período que cada colaborador levou para realizar as suas atividades. O valor/hora de cada profissional envolvido na campanha também deve ser contabilizado nos cálculos do investimento.

2. Contratar uma agência, que fornece um valor fechado com todas as etapas inclusas: desde o planejamento até o design do email, programação etc. Neste caso, o valor total cobrado pela agência para cuidar da campanha já é o valor do investimento.

Como as campanhas variam muito de acordo com as necessidades e expectativas de cada cliente, os custos podem variar.

Exemplo prático:

Vamos supor que uma campanha de email marketing de uma loja virtual tenha exigido um investimento total de R$1.000,00. Essa campanha gerou 20 conversões em compras de produtos no site, e um lucro total de R$ 3.000,00. Como o valor investido foi de R$ 1.000,00, temos um ROI de (R$ 3.000,00 – R$ 1.000,00) = R$2.000,00

R$2.000,00 / R$1.000,00= 2

2 * 100 = 200%.

Assim, nossa campanha fictícia teve um excelente retorno de 200%.

Podemos pensar, também, que cada uma das conversões (20) custou R$50,00.

Nesse caso, o ROI começa a ser calculado desde a concepção da idéia, na fase do planejamento de uma ação. É possível mensurar o tempo das pessoas envolvidas em todo o processo como, por exemplo, o período que cada colaborador leva para realizar as suas atividades.

Pensão Alimentícia: Esclarecimento de dúvidas

Pensão Alimentícia

Entenda sobre Pensão Alimentícia com as respostas para as suas maiores dúvidas.

Se você está com uma dúvida pontual, o texto está dividido em tópicos, poderá ir direto para a resposta. Agora, se você ainda não sabe tudo sobre esse importante tema, recomendamos a leitura completa do artigo.

Após a leitura você saberá:

  1. O que é Pensão Alimentícia e Quem é o Alimentante?

  2. O que fazer para receber Pensão Alimentícia?

  3. Qual o valor da pensão?

  4. Quando posso deixar de pagar pensão alimentícia?

  5. Qual o valor da pensão alimentícia para 2 filhos?

  6. Como é feita a divisão da pensão na guarda compartilhada?

  7. Quanto tempo pode atrasar a pensão alimentícia?

  8. O que acontece se eu não pagar a pensão?

  9. Quem paga pensão tem que pagar décimo terceiro?

Se a sua dúvida não está aqui, confira o nosso artigo completo sobre Pensão Alimentícia clicando aqui.

Nossas orientações não substituem a consulta a um Advogado. Se você está com problemas com Pensão alimentícia, procure sempre um Advogado que entenda sobre direito de família para te ajudar.

1. O que é Pensão Alimentícia e Quem é o Alimentante?

Pensão alimentícia é um valor pago para suprir as necessidades básicas de uma pessoa.

A pensão pode ser paga, por exemplo, para uma criança que viva com apenas um dos pais ou até mesmo nos casos de separação do casal quando um dependia financeiramente do outro.

A pensão deve englobar os custos com, por exemplo, moradia, alimentação, educação, saúde e etc.

O alimentante é quem está fornecendo a pensão e o alimentado é quem recebe a pensão.

2. O que fazer para receber Pensão Alimentícia?

A Pensão Alimentícia pode ser paga por livre acordo entre as partes, quando há boa fé em pagar, ou, caso isso não seja possível, ainda há a possibilidade de ingressar com um processo judicial.

Através do processo será possível estabelecer um acordo ou então, quando as partes não entram num consenso, o processo é encaminhado para o juiz decidir sobre o pedido das partes.

3. Qual o valor da pensão?

Primeiro é importante dizer que pai e mãe têm responsabilidades iguais perante os filhos.

É muito comum, na prática, as pessoas perguntarem qual o valor máximo para pensão alimentícia.

Na prática é verificado quem possui mais condições de contribuir para o sustento da criança sem comprometer o próprio sustento.

A Lei 5.478/68, Lei de Alimentos, não determina um valor certo para a pensão alimentícia e o Código Civil, em seu artigo 1.694, §1º, determina que o critério para determinar o valor é a proporção das necessidades da criança e dos recursos da pessoa obrigada.

Então, apesar de ser muito comum fixarem 30% sobre o salário do obrigado, esse critério não é obrigatório e na prática a porcentagem poderá ser inferior ou superior a 30%.

Pode ocorrer, ainda, de não ser fixada porcentagem e ficar determinado um valor fixo mensal, o que pode não ser vantagem, clique aqui e entenda por que.

4. Quando posso deixar de pagar pensão alimentícia?

A obrigação cessa quando o filho completa 18 anos em regra. Isso porque se ele comprovar que ainda necessita, se ele estiver estudando, por exemplo, poderá continuar recebendo a pensão.

Segundo a súmula 358 do STJ, a pensão não deve ser cortada imediatamente. É necessário que seja feito um pedido judicial e nessa oportunidade o Juiz avaliará se é o momento ou não.

Duas situações bem comuns são, quando o filho casa ou então começa a trabalhar.

Se o filho que recebe a pensão se casa, ele declara que é autossuficiente, dessa forma o pai poderá requerer o corte no fornecimento da pensão alimentícia.

Quando o filho começa a trabalhar ocorre uma melhora nas suas condições financeiras, logo, o emprego pode ser uma justificativa para revisão ou exoneração do encargo.

É bom lembrar, que nem sempre o salário recebido pelo filho será suficiente para pagar todas as despesas.

Na prática, é necessário avaliar caso a caso o valor do salário do filho e identificar se esse salário o torna ou não independente.

Nesses casos, poderá o alimentante pedir para cortar a pensão se esse filho for independente ou revisar o valor da pensão (diminuir) se o salário do filho for razoável, mas não for suficiente para sua independência.

5. Qual o valor da pensão alimentícia para 2 filhos?

Como dissemos, não existe um valor determinado.

Isso porque se os dois filhos forem da mesma mãe a pensão será um valor, agora, se os filhos forem de mães diferentes o valor da pensão poderá ser outro.

Tudo depende da situação financeira dos pais.

Deve observando sempre se as os filhos estão sendo tratados com as mesmas condições e se nenhum deles está recebendo privilégios que deveriam ser repartidos entre eles.

Quem sofre com a desigualdade de tratamento entre os filhos poderá pedir judicialmente que essa situação seja regularizada e que os filhos possuam direitos iguais.

6. Como é feita a divisão da pensão na guarda compartilhada?

Muitas pessoas pensam que quando a guarda é compartilhada não há necessidade do pagamento de pensão. Isso é mito.

O critério é a necessidade. Se a criança é criada por um dos pais que não possui condições suficientes, o outro deve ajudar a manter financeiramente essa criança, ainda que a guarda seja compartilhada.

7. Quanto tempo pode atrasar a pensão alimentícia?

Não pode haver atraso no pagamento da pensão alimentícia. A partir do primeiro dia de atraso, o responsável pela criança poderá acionar o alimentante na justiça.

Lembrando que a falta de pagamento de pensão alimentícia pode acarretar em prisão, então é muito importante não deixar de pagar em dia.

Para o alimentante que está com problemas em pagar a pensão alimentícia é muito importante procurar um advogado para se orientar sobre como conduzir a situação nesses momentos.

8. O que acontece se eu não pagar a pensão?

Como dissemos na pergunta anterior, quando o responsável não faz o pagamento da pensão, ele poderá ser preso.

Quem recebe a pensão poderá exigir judicialmente a prisão por até 90 dias.

Importante lembrar que a prisão não exime o pai em pagar a pensão dos filhos.

9. Quem paga pensão tem que pagar décimo terceiro?

Depende. Para que isso ocorra, quando o juiz decidir sobre o pedido, ou então, nos termos do acordo ente os pais, deverá ficar bem clara essa obrigação.

Além disso, não só o décimo terceiro poderá ser incluso, como, também férias, verbas rescisórias e outros direitos trabalhistas.

Se você leu esse texto e ainda quer saber mais sobre o tema, pode conferir este blog jurídico com muitas informações sobre Pensão Alimentícia.

Se gostou do texto, compartilhe em suas redes sociais, se ficou alguma dúvida, deixe nos comentários.